Detentos em Muriaé cultivam hortas para abastecimento de unidades prisionais e projetos sociais

Um projeto na Penitenciária de Muriaé criou hortas para abastecimento do local e outras campanhas sociais do município. A produção começou em março e, até o momento, mais de 25 mil pés de alfaces crespas já foram entregues em quatro unidades prisionais do Estado de Minas Gerais.

Também receberam os alimentos o Centro de Remanejamento do Sistema Prisional de Betim; a Penitenciária Ariosvaldo Campos Pires, em Juiz de Fora; e o Presídio de Eugenópolis.

Na última semana, 10 mil mudas foram encaminhadas para a Penitenciária José Maria Alkimin, em Ribeirão das Neves, que funcionará como polo de distribuição da produção.

De acordo com a Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap), a dificuldade em conseguir mudas na Zona da Mata fez a equipe de produção do local criasse o projeto “Mudar – Semeando o Futuro.

Funcionamento

Dois presos ficam responsáveis pela fabricação, que só precisa de sementes e substratos. As técnicas de produção foram repassadas a eles pelo agente de segurança penitenciário, Hugo Marcos, formado em Agronomia, pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), que faz parte da equipe de produção da penitenciária.

Segundo o diretor de Atendimento e Ressocialização, Eduardo Nonato, a iniciativa não seria possível sem o empenho dos profissionais da unidade.

“Uma ideia simples, de baixo custo e de grande alcance. E que, ainda em fase experimental, tem dado bons resultados. A intenção é conseguir meios para que o projeto seja inserido nas Regiões Integradas de Segurança Pública (Risp), gerando oportunidade de trabalho e qualificação profissional aos sentenciados e otimizando, para as unidades interessadas, insumos, nesses casos mudas de hortaliças, para terem sua própria horta”, comenta.

Horta na penitenciária de Muriaé — Foto: Seap/Divulgação

A unidade prisional disponibiliza o local e a mão de obra de sete presos.

Ainda na penitenciária, diversas hortaliças são produzidas, como alface, couve, mostarda, repolho e, em breve, algumas leguminosas. Toda a produção também é destinada para alguns projetos como Cesta Cheia, que atende famílias de baixa renda do município.

Outros projetos

Além do projeto “Mudar – Semeando o Futuro, a penitenciária possui mais três parcerias de trabalho com a Prefeitura de Muriaé.

Segundo a Seap, 20 presos trabalham no Departamento de Saneamento Urbano, outros 30 são disponibilizados para o Executivo, e atuam no combate à dengue, coleta seletiva entre outros serviços.

Dentro da penitenciária há ainda três oficinas do Estado com produções para consumo do sistema prisional. 27 presos estão empenhados em atividades de manutenção da unidade prisional. Há, também, 154 detentos produzindo artesanato nas celas e 11 presos em parcerias com empresas privadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *